Google+ Quatro coisas que ninguém fala sobre perda de peso bem sucedida | Curiosidades, Dicas e Humor

Quatro coisas que ninguém fala sobre perda de peso bem sucedida


Todo mundo que perde peso com sucesso supera um conjunto de desafios muito parecidos entre si. Mas apesar de parecer uma vitória linda para quem vê de fora, a jornada não é assim tão fácil quanto parece.


Os “expectadores de dieta”


As pessoas podem ser dividas em dois grupos principais: os que conseguem emagrecer e os “expectadores de dieta” – que são aquelas pessoas que não conseguem emagrecer de jeito nenhum e ficam perguntando TODO dia o que você comeu, quanto de exercício você fez, quantos gramas já foram e por aí vai.

Sejamos honestos: perda de peso bem sucedida é uma coisa relativamente incomum. Porém É POSSÍVEL. Por isso, eu vou falar especificamente para você que secretamente se identificou com o grupo dos expectadores.
Se você já viu alguém conseguir perder um monte de peso, perguntou tudo o que essa pessoa faz e silenciosamente sofreu por não conseguir seguir o exemplo, calma. É natural que você pense que está fazendo um monte de coisas erradas quando, na verdade, o problema não é você.

1. Perder peso é como aprender uma nova língua

Se você está acima do peso, é provável que você sinta alguma culpa nisso. Você pode se sentir preguiçoso, guloso ou sem autocontrole. Isso não só não é verdade, como é um pensamento que prejudica o desempenho de qualquer dieta.
Porque daí as pessoas começam a querer compensar suas “falhas” com dietas líquidas, longos períodos de jejum ou, o que é pior, uma seção de tortura na academia. E aí o exercício físico, ao invés de se tornar um momento de lazer e bem-estar, se transforma em autopunição.

Não faça isso com você

O sucesso de uma rotina focada em emagrecimento não tem nada a ver com isso. Os extremos tanto de dieta quanto de exercícios físicos não são nada saudáveis por um motivo muito simples: a gente não consegue manter. É humanamente impossível.

O “segredo” do sucesso está em encontrar um equilíbrio, com o qual você consiga conviver natural e confortavelmente.

Perder peso é quase como aprender uma nova língua em um país estrangeiro

Quando você está em um país diferente e começa a aprender a língua nativa, a tentação irresistível é traduzir tudo para a sua primeira língua. Claro, você não pode fazer isso se você quiser que as pessoas te entendam. Em vez disso, você tropeça desajeitadamente ao longo das palavras estrangeiras para entregar sua mensagem.

É difícil no começo, mas ao longo do tempo, você fica melhor. Você se acostuma a pronunciar as coisas com o sotaque correto, e tudo se torna natural. E pode se tornar tão intuitivo que você pode ter problemas para ensinar a língua para iniciantes, porque não está consciente do que acontece quando seu cérebro a traduz automaticamente.

A perda de peso não é diferente. Você precisa aprender a língua das calorias e dos macronutrientes. Você precisa traduzir sua alimentação em números para que ela se encaixe nas suas necessidades e metas diárias. Nessa etapa, a ajuda de um nutricionista é muito bem-vinda. Você precisa aprender a falar a língua do seu corpo. E isso leva tanto tempo quanto aprender qualquer outra habilidade. Tenha paciência. Insista. Pratique.

2: você terá de enfrentar numerosos e constantes desafios

Mesmo se você fizer tudo perfeitamente, a perda de peso não deve ser igual para todo mundo, graças à forma como funciona nossa fisiologia.

Mas isso é um ponto discutível, porque ninguém faz tudo perfeitamente. Não só você vai cometer erros em sua jornada, como você vai enfrentar golpes psicologicamente destrutivos. Como alguma coisa que aconteça no plano emocional, que deixe você mais ansioso e descontando todas as emoções em um pote de doce de leite.

Mas isso não é tão ruim quanto você pensa

Algumas coisas estão em seu controle, outras não. E das coisas que você pode ter algum controle, algumas são mais “controláveis” que outras. Como lesões, por exemplo. Talvez você tenha forçado demais em um treino, ou tenha levantado os pesos na posição errada e seja obrigado a ficar um tempo sem se exercitar. Mas isso não tem que significar perder todo o seu avanço.

Fique otimista, perceba que você não está arruinado, e volte para os trilhos.

3. As pessoas vão te irritar MUITO

Existem algumas observações que você vai ouvir durante a sua transformação. Desde observações inconvenientes sobre suas escolhas alimentares a sarcásticos comentários sobre como você mudou. Sim, é um saco. E esse é um obstáculo incontornável. É quase como um ritual de passagem na saga da perda de peso.

“Porque você não pode apenas aproveitar a vida? Você deve ser feliz do jeito que você é”. “Você tem uma estrutura óssea grande, não tem que se preocupar em ser ‘magro’”. “Você não vai pegar NENHUM docinho? Um só não faz mal…”.

A gente precisa aprender a separar as pessoas para não sair distribuindo patadas até pra quem não precisa. O primeiro grupo consiste nos curiosos de plantão. Eles podem parecer um pé no saco, e podem dar a entender que estão torcendo contra você, mas na verdade eles não fazem por mal. Simplesmente podem estar admirados com a sua conquista, mas não sabem expressar esse sentimento da melhor forma.

E existem os expectadores de dieta. Que são as pessoas que estão genuinamente tentando sabotar você. O problema com qualquer tipo de mudança pessoal é que ela ameaça o status quo, algo que a maioria das pessoas, conscientemente ou não, tenta lutar contra. Isso não é diferente para perda de peso.

4. Sua jornada não acaba nunca

Fazer uma dieta implica em se adaptar a um novo estilo de vida. Não é uma coisa passageira. É mais uma coisa que veio para ficar. É quase como uma viagem que não tem fim.

Essa percepção decorre de uma experiência muito pessoal.

Eu já fiz um monte de dietas absurdamente rígidas, com alarmes no meu celular para me lembrar a hora de comer, porções milimetricamente servidas e essa coisa toda. Mas como em um dia você está comendo um bolo inteiro na frente da televisão, e no dia seguinte resolve “mudar de vida”, o choque dessa mudança costuma ser um pouco traumático.

E isso dá fome, dá vontade de comer, dá tremedeiras e mais um monte de coisas ruins.

O que deu certo para mim foi fazer uma mudança gradativa, na qual eu aprendi a conciliar meu horário de exercício físico com uma alimentação balanceada.

Você nunca mais comeu chocolate?

Essa era a pergunta que mais me faziam. E depois de 18 kg a menos, eu cansei de ver caras de espanto quando eu respondia: “Como sempre, não passo vontade, não”. Porque eu aprendi duas coisas:
  • Se uma vontade aparece, a gente precisa entender se ela é momentânea ou se ela veio para ficar. Só muito autoconhecimento para entender cada caso. Mas se ela veio para ficar, não deixe a coisa virar uma bola de neve. Acabe de uma vez com esse assunto;
  • E a outra é que se eu resolvo esse assunto de uma vez, não preciso de uma barra de chocolate para me satisfazer.
Dar pulinhos fora da dieta faz bem, desde que você volte para sua jornada.

Se você confiar na sua força de vontade, encontrar um equilíbrio é uma questão de tempo.
Tudo o que fazemos deve ser sustentável e passar pelo teste decisivo da pergunta: “Eu poderia viver assim para sempre?”.


Isso porque, se você for bem sucedido, não há fim. Você sempre vai ter que trabalhar para incorporar uma horinha de exercícios físicos como uma parte de sua nova vida. E, digo mais: você vai fazer questão disso. Tanto quanto comer e dormir.

Fonte: hypescience
Share on Google Plus

About Lello Pensador

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.