Google+ O que aconteceria com a Terra se todos os seres humanos desaparecessem? | Curiosidades, Dicas e Humor

O que aconteceria com a Terra se todos os seres humanos desaparecessem?


Puft! Você sumiu. Quais seriam as consequências se o mesmo acontecesse com todos os seres humanos da Terra exatamente no mesmo momento?

Esta experiência de imaginação não só explora o impacto que a humanidade tem sobre o planeta, mas também a incrível resistência da natureza. O canal do YouTube ASAP Science decidiu responder essa pergunta.

Vamos começar do começo. As primeiras semanas seriam caóticas, já que as usinas iriam ficar sem energia e cercas elétricas parariam de funcionar, deixando soltos por aí cerca de 1,5 bilhão de vacas, 1 bilhão de suínos e 20 bilhões de frangos. Famintos e sem alguém para os alimentar, a maioria destes animais iria morrer de fome ou virar o almoço de mais de meio milhão de cães e mais ou menos o mesmo tanto de gatos, que agora precisam se virar sozinhos para comer.

Claro que a maioria das nossas raças de animais domésticos não conseguiriam se adaptar à vida selvagem e provavelmente acabariam sendo vencidas por vira-latas mais resistentes. Isso sem falar em animais maiores, como lobos e gatos-selvagens. Outros animais que dependem de humanos, de ratos a baratas, sofreriam uma redução populacional drástica. No caso dos piolhos, é provável que fossem completamente extintos.
Nas cidades, muitas de nossas ruas se transformariam em rios e, sem energia para mantê-los secos, os túneis de metrôs logo se encheriam de água. As avenidas que não estiverem submersas logo serão tomadas por ervas e trepadeiras, abrigando também árvores maiores.

Porém, antes que isso aconteça, cidades inteiras que abrigam muitas casas de madeira seriam arrasadas pelo fogo, já que, sem bombeiros, apenas um raio é necessário para fazer um estrago enorme. No interior, as casas seriam tomadas por cupins e outros decompositores.

Depois de 100 anos, todas as estruturas de madeira terão desaparecido e edifícios de concreto, carros e até mesmo pontes não estariam muito longe deste mesmo destino. Isso porque aço é, em sua maioria, composto por ferro e, sem a aplicação constante de tintas e outros produtos, reage com o oxigênio da atmosfera e retorna à sua forma original de óxido de ferro – o que não passa de ferrugem.

À essa altura, os humanos já sumiram há algumas centenas de anos e a maioria das espécies de animais do mundo – ao menos aquelas que não levamos à extinção – voltarão aos níveis que ocupavam antes de nós evoluirmos. Contudo, a sua distribuição será alterada para sempre. Agora, camelos passeiam pela Austrália, enquanto na América do Norte, dezenas de espécies de pássaros “importadas” da Europa continuarão a prosperar. 

É até mesmo possível que, em alguns lugares do planeta, animais que escaparam de zoológicos possam formar novas populações selvagens, levando à possibilidade de termos leões habitando as Grandes Planícies norte-americanas ou hipopótamos se refestelando nos rios da América do Sul.

Restos da nossa civilização

Além disso, a radiação eletromagnética que nós criamos com nossos rádios, satélites e telefones ficará para sempre se proliferando pelo espaço.

Entretanto, se tem alguma coisa que nós criamos que vai durar muito mais do que nós na Terra será o lixo que produzimos. Os laços químicos que fazem parte dos plásticos e da borracha vulcanizada são imunes à maior parte das enzimas digestivas usadas pelas bactérias para quebrar polímeros naturais e, ao contrário do metal, os plásticos não enferrujam. Estes microplásticos se infiltram em hidrovias ou vão para o oceano e eventualmente são depositados em sedimentos.

Daqui a centenas de milhares de anos, geologistas alienígenas podem se surpreender ao encontrar rochas sedimentares cheias de partículas minúsculas com base de carbono que já fizeram parte de pneus ou sacolas plásticas.

A sobrevivência de um ou outro material depende das condições climáticas daquele ambiente. Tudo vai durar muito mais no deserto, onde não há umidade para acelerar o enferrujamento ou sustentar a existência de organismos decompositores. E enquanto o ciclo do carbono faria com que houvesse equilíbrio nos níveis de gás carbônico após alguns milhares de anos, depósitos locais de químicos orgânicos duradouros e material radioativo poderiam persistir por um tempo muito, muito longo.

É difícil imaginar o que paleontologistas extraterrestres do futuro pensariam a respeito de nós; como eles irão explicar nosso nível de plástico ou fato de que em uma piscada geológica nós conseguimos sair da África e colonizar basicamente todos os outros lugares habitáveis da Terra?

Bom, eles com certeza se perguntariam também por que, se fomos tão bem sucedidos por tanto tempo, nós desaparecemos tão rapidamente. 

Fonte: hypescience
Share on Google Plus

About Lello Pensador

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.