Google+ Mistério do vôo 370: O que aconteceu com o avião da Malaysia Airlines? | Curiosidades, Dicas e Humor

Mistério do vôo 370: O que aconteceu com o avião da Malaysia Airlines?

O mistério em torno de um avião comercial desaparecido levanta uma questão fundamental: Como pode um grande avião cheio de pessoas  desaparecer no ar nos dias atuais?


O voo MH370 da Malaysia Airlines decolou da capital malaia de Kuala Lumpur na sexta-feira (07 de março) e dirigia-se para Pequim. Mas os controladores de tráfego aéreo perderam contato com o avião menos de uma hora mais tarde, uma vez que ele estava voando sobre o Golfo da Tailândia – ele desapareceu do radar. O paradeiro do Boeing 777 que levava 227 passageiros e 12 membros da tripulação permanece desconhecidos.

“Este é um evento muito incomum”, disse Sid McGuirk, professor associado de gestão do tráfego aéreo na Embry-Riddle Aeronautical University, na Flórida. “É realmente incomum uma aeronave em altitude – o que, pelo menos de acordo com a imprensa – sumir do radar.

Dois sistemas de radar

Controladores de tráfego aéreo rastream os aviões comerciais utilizando dois tipos de radar. O radar “primário” determina a posição de um avião por meio da análise de sinais enviados da aeronave; o radar “secundário”solicita informações de cada avião, que é, então, enviado por um equipamento a bordo conhecido como transponder.

Instalações de radar são baseadas em terra, e cada uma tem um alcance de cerca de 320 quilômetros, disse McGuirk. Assim, aviões de passageiros em voos transoceânicos ficam fora do mapa por um período de tempo – mas isso não significa que ninguém mantém o controle  sobre eles.

“As tripulações usam combinações de redes de alta frequência de rádio, comunicação de voz baseada em satélites e dados de texto para  reportar ao ATC [controle de tráfego aéreo] o tempo exato, a posição e o nível de voo”, disse Emily McGee, da Flight Safety Foundation, uma organização sem fins lucrativos com sede em Alexandria, EUA.

“Eles, então, atualizam o ATC com voz ou texto com relatórios de progresso em locais geográficos e intervalos de tempo definidos”, disse McGee. “Quando uma tripulação deixa de fazer o check-in em seu próximo ponto de verificação é que um alarme é disparado. Este caso é um evento extremamente raro, especialmente com as aeronaves altamente avançadas hoje.”

Aviões comerciais também podem ficar fora do mapa brevemente quando voam a baixas altitudes porque montanhas e outros acidentes geográficos podem bloquear os sinais.
Como resultado,  aviões voando baixo são difíceis de acompanhar de forma contínua, especialmente se os seus transponders estão desativados – um fato que os terroristas aproveitaram no 11 de setembro.

Alguém que queria roubar o jato da Malaysia Airlines teoricamente poderia desligar o transponder e mergulhar até uma altitude de 1.500 metros.

“Claro, é meio difícil de esconder um 777″, disse McGuirk.

McGuirk comparou o caso com o desaparecimento do voo 447 Air France, que desapareceu sobre o Oceano Atlântico em junho de 2009 depois de partir do Rio de Janeiro rumo a Paris.

O voo 447 caiu durante um mau tempo, provocando a morte de todas as 228 pessoas a bordo. Demorou 5 dias para localizarem os destroços e quase 2 anos para localizarem e recuperar as “caixas pretas” do Airbus A330 do fundo do oceano.

Em alguns aspectos, no entanto, a perda do voo MH370 é ainda mais intrigante. O voo 447 estava bem no mar, além da variedade de estações de radar. Mas o avião Malaysia Airlines estava, aparentemente, não muito longe de terra, McGuirk disse, acrescentando que um oficial da Força Aérea da Malásia fez comentários para a mídia sugerindo a aeronave estava sendo monitorada pelo radar antes de ter desaparecido.

Especialistas em aviação especulam que o transponder do avião parou de funcionar. Isso pode ter acontecido porque o aparelho foi desligado intencionalmente ou sofreu uma falha de algum tipo. Ou o jato pode ter se desintegrado ou explodido no ar. Parte dos destroços deveria ficar flutuando no mar, e apesar dos contínuos esforços, nada foi achado.

As condições climáticas eram boas e o piloto era experiente – tinha 53 anos e mais de 18 mil horas de voo no currículo. Trabalhava para a Malaysia Airlines desde 1981. O Boeing 777-200 é um modelo bastante seguro e conta com apenas um desastre com vítimas em seu histórico.

Seja lá o que tenha acontecido, foi algo repentino. Mesmo que os pilotos perdessem todos os motores em pleno voo, haveria tempo para lançar um alerta.

Outros fatos interessantes podem ou não estar relacionados com o desaparecimento. Um deles é a presença de dois homens com passaportes entre os passageiros do voo, levantando a hipótese de terrorismo. Outro fato divulgado recentemente foi que os celulares das vítimas estariam tocando, mas ninguém atendia e a ligação caia. Não há confirmação se a informação é verdadeira, mas não deixa de ser estranha, uma vez que os celulares devem ficar no “modo avião” durante o voo ou desligados. Estranha o fato de ainda estarem carregados passados 4 dias.

E você, leitor, o que acredita que tenha causado o desaparecimento do voo MH370 da Malaysia Airlines? 

Share on Google Plus

About Lello Pensador

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.