Google+ Casamento x morar juntos: qual é o melhor? | Curiosidades, Dicas e Humor

Casamento x morar juntos: qual é o melhor?


A noção de que a percepção é vital em um relacionamento não é nova, mas muitos estudos recentes tem revelado sua importância.

Por exemplo, uma nova pesquisa da Universidade de Virginia (EUA) chegou à conclusão de que a forma como percebemos um compromisso de longo prazo (se o percebemos como casamento ou como apenas coabitação) pode mudar o modo como reagimos ao estresse.

Como você vê o seu parceiro e o nível de compromisso de seu relacionamento afeta significativamente a sua saúde.

Psicólogos afirmam que ser casado confere benefícios à saúde acima da mera coabitação, mas outros dizem que só a ideia de casamento já é suficiente – o que está na nossa cabeça é mais essencial do que um pedaço de papel.

Ao longo dos últimos 20 anos estudando relacionamentos, Jim Coan se interessou pelo “efeito de coabitação” – a ideia de que casais que coabitam, em comparação com casais casados, são menos estáveis, mostram menos benefícios relacionados à saúde e podem até ser mais propensos a se divorciar, se chegarem a se casar.

Coan decidiu explorar esses efeito comparando como casais casados, coabitantes, namorados e amigos lidavam com o estresse juntos. Ele observou especificamente como ficar de mãos dadas durante uma ameaça potencial podia diminuir a atividade na aérea do cérebro chamada de hipotálamo – um potencial marcador neurofisiológico para o efeito do estresse sobre a saúde.

O trabalho baseia-se em provas anteriores de que segurar as mãos ajuda as pessoas a regular suas emoções.

Usando ressonância magnética funcional, Coan e seus colegas coletaram dados sobre a atividade cerebral de 54 casais (metade casada, metade apenas morando junto) conforme eles viam sinais de ameaça.

Alguns sinais indicavam aos indivíduos que eles enfrentariam uma chance de 20% de levar um choque elétrico no tornozelo, enquanto outros mostravam 0% de chance de choque. Em alguns casos, os indivíduos estavam segurando a mão de seu parceiro, em outros a mão de um estranho, e outros estavam sozinhos.

Apenas os casados reduziram a atividade do hipotálamo em resposta a estímulos de ameaça enquanto davam as mãos para seus parceiros.

“Ambos os casais [casados e coabitantes] tinham a mesma idade, tempo de relacionamento e satisfação com a relação“, afirma Coan. “Então, por que responderam de forma tão diferente ao apoio oferecido pelo parceiro?”.

Sua teoria encontra-se em dados que ele coletou em outro estudo. Coan realizou uma pesquisa paralela com 26 casais do mesmo sexo. Nenhum deles era legalmente casado, mas metade descreviam sua relação como um casamento.

A mesma diferença na regulação hipotalâmica a segurar a mão do parceiro foi vista: os que se consideravam casados (embora oficialmente não fossem) tiveram uma redução de atividade na região do cérebro.

“Eu acho que tem a ver com a conceituação da relação de cada um. Pode até não ser sobre o casamento em si, mas sim em afirmar apenas a coabitação, basicamente afirmando que não está ‘preso’ a um compromisso”, sugere Coan.

Os benefícios de saúde do apoio percebido

Outro grande fator dos relacionamentos que afeta a saúde é o quanto nós acreditamos que nossos parceiros se importam conosco, nos entendem e nos apreciam.

“O efeito dos relacionamentos sobre a saúde física e psicológica é muito mais forte do que qualquer outro fator que você pode pensar”, explica Emre Selcuk, da Universidade Técnica do Oriente Médio, na Turquia. “Por exemplo, o efeito da existência e da qualidade das relações estreitas sobre a mortalidade é maior do que o do cigarro”.

Selcuk e seu colega Anthony Ong tentaram descobrir quais aspectos únicos dos relacionamentos contribuem para este efeito.

Especificamente, eles estavam interessados na resposta percebida do parceiro, uma medida em que a pessoa acha que seu parceiro realmente quer o melhor para ela. Este “apoio percebido” é distinto do verdadeiro apoio que você recebe do seu parceiro.

Se você não percebe o seu parceiro como sensível às suas necessidades, até mesmo o comportamento de apoio mais bem intencionado pode sair pela culatra e levar a resultados piores de saúde. Mas se você percebe o seu parceiro como alguém que se importa, entende suas necessidades e lhe aprecia, então seu relacionamento romântico vai fazer de você uma pessoa mais feliz e mais saudável a longo prazo.

A análise dos pesquisadores constatou que as pessoas que percebiam o seu parceiro como apoiadores tinham maior satisfação com a vida e menos depressão, entre outros atributos psicológicos positivos.

“Nossos resultados mostram claramente que ter alguém na nossa vida que nós percebemos como pessoas que nos apoiam e compreendem as nossas necessidades, preocupações e objetivos aumenta a nossa capacidade de recuperar-se de emoções negativas, melhora o nosso bem-estar psicológico, confere benefícios à saúde e afeta até mesmo a própria duração da nossa vida”, diz Selcuk.

Em resumo, a resposta à pergunta do título deste artigo é: ambas as opções são saudáveis, desde que você entenda seu relacionamento como um comprometimento e perceba seu parceiro como alguém que te apoia. Nada poderia ser mais simples. 

Share on Google Plus

About Lello Pensador

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.