Google+ Paradoxo de Fermi: por que ainda não encontramos outras civilizações? | Curiosidades, Dicas e Humor

Paradoxo de Fermi: por que ainda não encontramos outras civilizações?

Cientistas como Stephen Hawking e Carl Sagan sempre acreditaram que os seres humanos vão um dia colonizar o universo. Mas porque não vimos qualquer evidência de outras formas de vida que colonizaram parte do universo?


Um novo estudo conduzido pelo Dr. Stuart Armstrong e pelo Dr. Anders Sandberg, da Universidade de Oxford, tenta responder a essa pergunta. O artigo toma como ponto de partida o paradoxo de Fermi - a discrepância entre a probabilidade de vida extraterrestre inteligente e a ausência de evidências observacionais para tal existência.

Dr. Armstrong diz: "Há duas maneiras de olhar para o nosso estudo. A primeira é como um estudo do nosso futuro - a humanidade poderia, em algum momento, colonizar o universo. A segunda relaciona-se com potenciais espécies alienígenas -, mostrando a relativa facilidade de colonização de galáxias, e faz a falta de provas de outras formas de vida inteligente ainda mais intrigante. Isso piora o paradoxo de Fermi."

Dr. Sandberg explica: "O silêncio no céu está nos dizendo alguma coisa sobre o tipo de inteligência no universo. O espaço não está cheio de homenzinhos verdes, e que poderiam nos dizer uma série de coisas sobre outras formas de vida inteligente - que poderiam ser muito raras, poderiam estar se escondendo, ou poderiam morrer de forma relativamente fácil. Claro que também pode significar que outras formas de vida não existem. Se a humanidade está sozinha no universo, então temos uma enorme responsabilidade moral. Como a única inteligência, ou talvez as únicas mentes conscientes, podemos decidir o destino de todo o universo."

Segundo o Dr. Armstrong, uma possível explicação para o paradoxo de Fermi é que a vida se destrói antes que ela possa se ​​espalhar. "Isso significa que estamos em maior risco do que poderíamos ter pensado ", diz ele. "Essa é uma preocupação para o futuro da humanidade."

Dr. Sandberg acrescenta: "Quase qualquer resposta para o paradoxo de Fermi dá origem a algo desconfortável. Há também a teoria de que um grande número de civilizações está mais ou menos no mesmo estágio em termos de sua capacidade de explorar o universo, mas, pessoalmente, eu não acho que isso seja provável."

Como o Dr. Armstrong aponta, há planetas semelhantes à Terra muito mais velhos do que o nosso - na verdade, a maioria deles são bilhões de anos mais velhos.

Dr. Sandberg diz: "No início de 1990 , pensamos que talvez não havia muitos planetas por aí, mas agora sabemos que o universo está repleto deles. Temos mais planetas do que jamais sonhávamos."
O estudo também olha o quão longe uma civilização como a humanidade poderia, teoricamente, se espalhar pelo universo. Estudos anteriores do paradoxo de Fermi têm procurado principalmente espalhar-se dentro da Via Láctea. No entanto , o presente trabalho analisa uma expansão mais ambiciosa.

"Nosso ponto principal é que, se qualquer civilização em qualquer lugar no passado quisesse se expandir, eles já teriam sido capazes de alcançar uma enorme parcela do universo. Isso torna o paradoxo de Fermi mais difícil. Se a vida inteligente é rara, ela precisa ser muito mais rara do que apenas uma civilização por galáxia." 

Image and video hosting by TinyPic
03 unidades - R$9,99
10 unidades - R$27,00
100 unidades - R$250,00
Share on Google Plus

About Lello Pensador

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.