Google+ Confira os 5 animais e seus fantásticos traseiros | Curiosidades, Dicas e Humor

Confira os 5 animais e seus fantásticos traseiros

Certas criaturas deste planeta parecem ter evoluído simplesmente com o propósito de fazer as outras criaturas rirem muito – por exemplo, esses 5 animais que têm habilidades incríveis…com seus traseiros.

1. Lagartas confundem predadores lançando cocô longe


É difícil se proteger quando você é uma lagarta bebê, mas com criatividade é possível. As lagartas da família Hesperiidae inventaram uma defesa única e eficiente – elas arremessam seu cocô no ar, muito longe de onde estão.

Toda vez que uma lagarta está em perigo por conta de um predador, constrói pressão arterial sob uma aba abaixo do seu ânus, esforçando-se heroicamente até gerar força suficiente para arremessar seu cocô a uma distância de mais de 40 vezes seu comprimento de corpo. Obviamente, uma vez que ela é uma lagarta bebê e não um elefante, isso equivale a uma distância de cerca de dois metros, mas é mais do que suficiente para atrair os predadores para longe da folha em que a lagarta está.

Além disso, ela pode disparar o seu cocô em qualquer direção que quiser, deixando os predadores confusos sobre para onde devem ir. Para colocar isso em perspectiva, seria a mesma coisa que um ser humano mandando bolas explosivas de diarreia para todos os lados dentro de um raio de 70 metros para desorientar um psicopata lhe perseguindo. 


2. Tartaruga do rio Fitzroy respira por meio de seu ânus


A tartaruga do rio Fitzroy, uma espécie que só pode ser encontrada no rio Fitzroy, na Austrália, parece existir apenas para que a tartaruga que faz xixi pela boca não se sinta tão mal. Apesar de ter uma boca perfeitamente funcional no centro de sua face como a maioria das criaturas de Deus, ela evoluiu para respirar o ar para dentro e fora de seu ânus.

Muitas espécies de aves, répteis e peixes possuem a capacidade de fazer cocô e bebê a partir de um único orifício – um “rabo para todos os gostos”. Um pequeno número de tartarugas podem capturar pequenas quantidades de oxigênio através da água por um processo chamado respiração cloacal. Mas tartarugas Fitzroy não têm tempo para pequenas quantidades.

Em vez disso, graças a uma bolsa de especialização em sua cloaca chamada bursa, tartarugas Fitzroy estão constantemente bombeando água para dentro e para fora de seus traseiros escancarados, coletando até 70% de todo o oxigênio de que necessitam para sobreviver desse jeito.

Consequentemente, a tartaruga Fitzroy é capaz de ficar submersa por até três semanas de uma só vez. Isso, combinado com o fato de que estão confinadas a um rio específico em um canto distante do planeta, resultou no resto do mundo não tendo absolutamente nenhuma ideia de que ela existia até cerca de 40 anos atrás.

3. Cupins constroem casas quimicamente blindadas pelo seu cocô


Os castelos medievais desses insetos são construídos a partir de camadas e camadas de cocô. Pior: essas muralhas são o que protegem os cupins de pesticidas.

Uma vez que uma colônia de cupins pode conter milhões de insetos individuais que ainda não evoluíram para usar o banheiro de qualquer casa que estejam atualmente destruindo, eles não têm nenhuma maneira de se livrar do arranha-céu de bosta que inevitavelmente se acumula. Então, eles resolveram entrar em um relacionamento sério (e simbiótico) com a bactéria Streptomyces, que se alimenta de cocô de cupim e libera um “antibiótico” que protege os animais de quaisquer patógenos destrutivos que nós, humanos, pulverizamos em seu caminho (entendeu agora porque é impossível se livrar deles?).

O próximo passo lógico para os insetos é construir seus ninhos quase inteiramente a partir de seus próprios excrementos, oferecendo a bactéria Streptomyces um buffet infinito e criando o que equivale a uma fortaleza impenetrável de cocô.

Não se preocupe, entretanto. Os cientistas estão desenvolvendo armas para superar esse escudo de merda e destruir os insetos dentro dele.

4. Peixes-boi nadam através de peidos


Peixes-boi são capazes de subir e afundar na água com quase nenhum movimento perceptível ou esforço. Como? Assim:

É isso mesmo – peixes-boi controlam sua flutuabilidade através de um ciclo interminável de peidos. Peixes-boi podem estrategicamente regular a distribuição de seus gases intestinais, segurando-os quando querem se aproximar da superfície e soltando-os quando é hora de afundar.

A fisiologia do peixe-boi é programada para isso. O animal come uma tonelada de plantas em uma base diária, o que faz com que acumule uma grande quantidade de metano. Seu diafragma fica próximo de seus pulmões para acomodar todo esse gás, em vez de mais para baixo, perto do fígado, como um diafragma normal. Também é muito mais longo e forte, o que permite que o peixe-boi pressurize e libere o metano à vontade.

5. Praias tropicais são feitas de cocô de peixe-papagaio


Peixes-papagaios fazem mais do que nadar de bom humor através do Caribe: eles são diretamente responsáveis por algumas das mais belas praias tropicais de areia branca do mundo. Ou melhor, seu cocô é.

Os dentes do peixe servem a um propósito: moer pedaços de coral. Uma vez que encontra um recife particularmente saboroso, o peixe-papagaio morde um pedaço e o mastiga, extraindo as algas que compõe uma grande parte de sua dieta. O que sobra é então passado através de seu aparelho digestivo e volta para o recife em forma de areia anal intocada.

O peixe-papagaio típico pode produzir mais de 90 quilos de areia em um ano. Muito desse material acaba em terra, formando grandes partes das praias tropicais deslumbrantes que você vê em comerciais e folhetos de viagem. Nas suas próximas férias no Caribe, pense nisso: você está observando o mar sentada em monte de cocô de peixe.

Share on Google Plus

About Lello Pensador

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.